Pavimento Radiante

Artigos sobre instalação de pavimento radiante para instaladores ou para utilizadores deste tipo de sistema de aquecimento

Instalação de Pavimento Radiante

Descarregue o nosso artigo aqui: Instalação de Pavimento Radiante

Instalação de Pavimento Radiante 

1)    Dimensionamento.

Na instalação de Pavimento Radiante o primeiro passo é fazer um correcto dimensionamento do sistema.

Esse dimensionamento deve ser sempre validado por técnico qualificado que conheça o local da instalação.

Os elementos mais significativos de um dimensionamento são:

  • N.º de circuitos por divisão;
  • Espaçamento entre tubos para cada divisão;
  • A perda de carga prevista para cada circuito;
  • O caudal necessário para cada circuito;
  • A quantidade de tira perimetral necessária em cada divisão;
  • A quantidade de placa necessária por cada divisão;
  • Que tipo de controlo da temperatura ambiente;
  • Que divisões tem termostato de controlo.

Normalmente há uma caixa por cada zona. Uma zona é um conjunto de divisões. O número de divisões e de zonas depende das áreas da instalação.

Em moradias mais convencionais, com áreas entre 100 e 200 m2, é recorrente a existência de duas zonas: uma com a cozinha e salas, e outra zona com as divisões dos quartos. Este tipo de separação ainda permite diferenciação de horários, uma vez que o horário de permanência numa e noutra zona é normalmente diferenciado.

Planta de moradia com pavimento radiante

2) Preparação do local

Um dos pontos críticos da instalação de pavimento radiante é os constrangimentos provocados pelo volume necessário para a aplicação.

O pé direito do local tem que ser suficiente para ocupar cerca de 10 cm com uma altura suplementar de pavimento. A figura ilustra as dimensões dos diferentes componentes do pavimento radiante.

Corte instalação pavimento radiante

Para instalações muito especiais, em que não é possível ocupar tanto volume de pavimento é possível optar por uma instalação de pavimento radiante de baixo perfil. Este tipo de sistema tem diferentes tipos de soluções, dependendo das marcas. Normalmente é conseguida esta redução com tubo de menor secção e redução do isolamento.

 

3)    Embutir as caixas dos colectores de distribuição nos locais selecionados.

 

É necessário definir previamente o local da instalação das caixas. Tem que instalar uma caixa por cada zona.

O tamanho da caixa depende do número de circuitos que a zona tem.

Na figura abaixo é apresentado um exemplo de caixas para colectores de distribuição.

Caixa para colectores pavimento radiante

4)    Limpeza do pavimento

Este passo só pode ser levado a cabo com o pavimento regularizado e as paredes semi-acabadas.

É necessário ter em atenção que entre este passo e a cobertura do tubo com argamassa não é possível partir ou fazer roços nas paredes. Este tipo de acções poderia deixar “lâminas” em contacto com o tubo, o que com as dilatações e contrações sucessivas do tubo acabaria por resultar em rebentamento do mesmo.

 

5)    Instalação da tira perimetral

A tira perimetral tem a função de absorver as dilatações da argamassa.

 

Tira perimetral pavimento radiante

Instalação tira perimetral pavimento radiante

A tira perimetral tem uma tela transparente que deve ficar voltada para a zona da placa (e não virada para a parede), sendo a posição correcta a ilustrada na figura.

A tela transparente vai ficar sobre as placas isolantes e a sua função é impedir que a argamassa se introduza entre a tira perimetral e a placa.

 

6)    Instalação da placa isolante

A placa isolante tem uma dupla função no pavimento radiante.

A primeira é o isolamento térmico, para reduzir as perdas para a zona abaixo do pavimento (piso inferior ou solo).

A segunda é a fixação do tubo.

Placa isolante lisa pavimento radiante

Instalação de placa com pitons

A placa isolante com pitons deve ser encaixada aproveitando as ranhuras das placas, próprias para o efeito, conforme ilustrado na figura.Encaixe placas isolantes com pitons pavimento radiante

A placa deve começar a ser colocada a partir de um canto e sucessivamente deve encaixar placas num só sentido até completar a linha. Para acabar a linha provavelmente deve ter que cortar a última placa. A sobra da última placa deverá ser a primeira placa da linha seguinte. O procedimento deve ser repetido até acabar a divisão.

 

Instalação da placa lisa

A placa lisa deve ser colocada de forma similar à da placa com pitons. O tipo de encaixe é que é altera a técnica.

Enquanto a placa de pitons tem um encaixe moldado, a placa lisa tem na superfície uma tela autocolante. Ao sobrepor a tela autocolante sobre a placa “vizinha” irá colar as duas placas.

Cada placa tem dois lados “auto-colantes”. Quando está a encostar uma placa à parede deve cortar correspondente tela auto-colante”, conforme ilustra a figura.

Sequência colocação placa isolante pavimento radianteSequência colocação placa isolante pavimento radiante2

 

 

 

 

 

 

Sequência da colocação de placa isolante lisa na instalação de Pavimento Radiante: (a) Placa isolante lisa; (b) Preparação da primeira placa para colocação em canto; (c) Colocação da primeira placa em canto; (d) Preparação da segunda placa; (e) Segunda placa com auto-colante sobre primeira placa; (f) Corte da última placa de linha para colocação em duas linhas; (g) nas linhas seguintes não é necessário cortar a placa; (h) exemplo da disposição das placas.

 

7)    Colocação dos colectores de distribuição dentro da caixa

Os colectores são selecionados em função do número de circuitos que cada zona tem.

 

8)    Colocação do tubo

Para colocar o tubo deve seguir os seguintes passos:

  • Unir o tubo à ligação no colector de distribuição de ida (colocar sempre as curvas guia de plástico);
  • Conduzir o tubo pelo caminho que será o circuito, fixando-o entre os pitons (placa de pitons) ou fixando-o com agrafes (placa lisa);
  • Cortar o tubo no final do seu circuito;
  • Unir a ponta de tubo solta à ligação no colector de distribuição de retorno (colocar sempre as curvas guia de plástico).

Ligação do tubo ao colector de distribuição

No momento da união é necessário não esquecer das curvas guias de plástico (figura 10.). Estas curvas têm como finalidade proteger o tubo de PEX, evitando que o mesmo fique fincado na curva.

Curva Guia de plástico Pavimento Radiante

Definição dos circuitos

Os circuitos devem ser feitos em “caracol”.

Este tipo de distribuição é o único que garante uma temperatura homogénea na divisão.

Distribuição de um tubo do circuito pavimento radiante

Espaçamento entre tubo

O espaçamento que fica entre tubos é definido em projecto. As diferenças de espaçamento são devidas a necessidades diferentes de calor.

O método de colocação do tubo é simples. Uma sequência possível é a indicada na figura.

Procedimento colocação tubo pavimento radiante

Nas placas isolantes o espaçamento entre dois pitons é variável de marca para marca. O dimensionamento deve ser feito baseado numa determinada placa.

Nas placas mais comuns no mercado o espaçamento entre pitons é de 8 cm.  Para cada espaçamento pretendido tem que verificar a quantos pitons corresponde. Por exemplo, um circuito com um espaçamento de 16 cm significa que tem que deixar dois pitons entre cada tubo, conforme figura.

Colocação tubo espaçamento 16 pavimento radiante

Número de circuitos por divisão

Numa instalação de Pavimento Radiante, por vezes não é possível completar uma divisão com apenas um circuito.

O número de circuitos por cada divisão é definido no projecto. Devem ser tantos quantos necessários para cobrir toda a área útil de aquecimento / arrefecimento.

Por vezes a passagem de tubos através de uma divisão para alimentar outra(s) divisão(ões) é suficiente para cobrir todo o pavimento dessa primeira divisão. Esse facto é comum em corredores, ou em pequenos átrios onde estão instalados os colectores distribuidores.

Quando uma divisão tem mais do que um circuito devemos começar a colocar o tubo do circuito mais afastado, sabendo que a área ocupada será aproximadamente a de um quadrado, com a área total da divisão dividida pelo número de circuitos da mesma divisão.

 

9)    Colocação da instalação à carga

Assim que possível toda a instalação deve ser colocada à carga. Este procedimento implica o enchimento dos circuitos, instalação de manómetros que permitam a visualização da pressão dos circuitos. Os circuitos devem ser colocados a 4 a 6 bar de pressão.

Para além de se verificar eventuais falhas em toda a instalação, assegura-se que qualquer furo de um circuito por acidente será de imediato perceptível na pressão medida.

Atenção: Numa instalação de Pavimento Radiante é muito importante que durante a aplicação da argamassa os tubos estejam à carga.É muito importante que se houver o risco de congelamento, use um anticongelante adequado em todo o circuito.

 

10)    Colocação das juntas de dilatação

Nesta fase é importante colocar as juntas de dilatação nos locais que necessitam:

  • Divisões com mais de 40 m2;
  • Divisões cujo comprimento seja duas vezes maior que a largura;
  • Divisões em L com mais de 80 m2.

A junta de dilatação é aplicada para absorver as dilatações da argamassa ao longo do tempo. As juntas de dilatação têm uma base autocolante para facilitar a sua aplicação junto à placa isolante.

Junta de dilatação pavimento radiante

Na sua aplicação deve tentar separar circuitos. Tem que cortar a junta no local de passagem de tubos, conforme ilustrado na figura 15. Não deve dividir um mesmo circuito com a junta de dilatação. É aconselhável não atravessar a junta com os tubos. Nas situações em que é inevitável essa passagem deve proteger o tubo PEX com um tubo corrugado de passagem, conforme indicado na figura.

Exemplo colocação junta dilatação pavimento radiante

 

11)    Preparação da argamassa

A preparação da argamassa requer alguns cuidados:

  • Utilização de areia fina;
  • Inclusão de um aditivo plastificante da argamassa.

A utilização de areia fina em vez de brita de maiores dimensões resulta de se pretender uma argamassa mais homogénea (condutibilidade constante ao longo de toda a divisão) e com o evitar que uma brita encostada a um tubo de PEX funcionasse como lâmina perante as dilatações e contracções do mesmo.

 

A inclusão do aditivo plastificante confere uma maior homogeneidade à argamassa e evitar que a mesma possa gretar quando estiver a secar.

O modo de preparação da argamassa e a quantidade de fluido a acrescentar deve ser verificado nas instruções do fluido.

 

12)    Aplicação da argamassa

Antes de aplicar a argamassa é conveniente filmar (por exemplo com o telemóvel) ou fotografar todo o tubo instalado. Esse registo pode, no futuro, servir para saber onde está aplicado o tubo.

A argamassa deve cobrir de forma regular toda a superfície.

A espessura mínima de argamassa deve ser suficiente para assegurar que a mesma não parta após a secagem. Essa espessura depende da qualidade da argamassa e não propriamente do sistema do pavimento radiante.

Normalmente a espessura mínima aplicada é de 4,5 cm, acima do topo do piton, ou no caso de placa lisa, acima do topo do agrafe.

Depois de aplicar a argamassa deve deixa-la secar convenientemente. O tempo de secagem depende da qualidade da argamassa. Sugere-se pelo menos 21 dias de secagem antes de aplicar qualquer tipo de revestimento do pavimento.

 

13)    Teste da instalação e arranque

O arranque da instalação de Pavimento Radiante nunca deve acontecer antes que a argamassa seque convenientemente. Em geral é conveniente esperar pelo menos 21 dias. Com aplicação de aditivos específicos é possível reduzir este período, que nunca deve ser inferior a sete dias.

O primeiro aquecimento deve ser progressivo. Deve começar por regular uma temperatura de impulsão de 25ºC que deve ser mantida durante pelo menos três dias. Posteriormente pode aumentar a temperatura, mas sempre de modo gradual.

 

14)    Aplicação do revestimento

O revestimento a aplicar deve ter em conta a existência de pavimento radiante. Deve ser o menos isolante possível e tem que ser resistente a mudanças de temperatura provocadas pelo aquecimento e arrefecimento do pavimento.

O mais crítico é a selecção de revestimentos de madeira. A madeira selecionada deve ser o menos espessa possível, para oferecer menos resistência à passagem do calor, e deve ser o menos sensível possível do ponto de vista de dilatação e contracção por variação de temperatura.

O tipo de madeira tem que ser cuidadosamente selecionado em conjunto com o carpinteiro da obra.

 

Controlo do sistema

Após a conclusão desta fase fica a faltar o controlo bem como a instalação do sistema de alimentação do sistema.

Dada a complexidade destes dois blocos, os mesmos serão desenvolvidos separadamente.

 

 

História do Pavimento Radiante

Descarregue o nosso artigo aqui: História do Pavimento Radiante

História do Pavimento Radiante

Pavimento Radiante na Civilização Minoica

O pavimento radiante terá sido usado pela primeira vez pela civilização Minóica, há mais de 5.000 anos.

 

Posteriormente, ainda ha mais de 2.000 anos foram os romanos que o utilizaram, ainda que com tecnologias muito diferentes das actuais, nomeadamente pela passagem de gases de queima por canais de tijolo aplicados no pavimento dos locais aquecidos.

 

A mesma tecnologia foi utilizada pelos Japoneses e Coreanos que há cerca de 800 anos utilizaram para aquecer a casa a partir do chão.

Pavimento radiante no Japão

Estes sistemas tinham riscos, especialmente de intoxicação pelos gases de combustão.

Apesar de tão antigo, o seu grande desenvolvimento foi nos anos mais recentes, pela clara percepção de o pavimento radiante ser sem dúvida nenhuma a forma mais eficiente de climatizar uma habitação.

 

No século passado foram feitas muitas instalações com tubagem em ferro preto. Nestas instalações era cometido o erro de trabalhar a temperaturas altas. Havia duas consequências nefastas neste tipo de procedimento: risco de danos para a superfície aplicada sobre o pavimento (especialmente no caso das madeiras) e risco de saúde (especialmente doenças circulatórias, como por exemplo as varizes).

Circuitos pavimento radiante

Hoje em dia há a perfeita noção de que o pavimento radiante foi desenvolvido para trabalhar a baixas temperaturas. Nunca podemos ter temperaturas superiores a 30ºC na superfície do pavimento. Para isso não é necessário mais do que 35-40ºC na impulsão da água de aquecimento.

 

Toda a evolução descrita levou-nos a trabalhar com tubagens mais económicas e resistêntes (mais usualmente o PEX – Polietileno reticulado) e de forma mais eficiente pelas baixas temperaturas que garantem toda a segurança para os materiais e saúde dos utilizadores.

 

O pavimento radiante acumula evidentes vantagens estáticas e funcionais. Qual é o outro sistema que não ocupa paredes, não tem qualquer ruído e proporciona temperaturas tão uniformes por todas as divisões?