Piscinas

Artigos sobre instalação de sistemas de aquecimento de piscinas, de climatização de espaços de piscinas para instaladores ou para quem tenha piscinas

Dimensionar Solar para Piscinas

Descarregue o nosso artigo aqui: Dimensionar solar para Piscinas

Dimensionamento de Sistemas Solares Térmicos para aquecimento de Piscinas

 

No dimensionamento de colectores solares para aquecimento de piscinas é necessário dividir em dois tipos de sistemas totalmente distintos: para piscinas interiores ou para piscinas exteriores.

Uma piscina interior é aquecida durante todo o ano e por isso a temperatura da piscina deve ser assegurada por uma fonte alternativa (tipo caldeira ou bomba de calor) e a energia solar irá permitir uma redução dos consumos.

Instalação solar Piscina privada

Numa piscina exterior a situação é bem diferente. Durante os meses mais frios não há utilização da mesma. Neste caso, o objectivo do aquecimento é o alargar o período de utilização. Em vez de a piscina ter conforto para utilização apenas entre os meses de Junho e Setembro poderemos ter um aproveitamento desde Abril a Outubro (esta estimativa é muito dependente do clima anual) e seguramente temperaturas mais altas nos meses de Julho e Agosto.

Os elementos importantes para o cálculo são:

  • Área da superfície da piscina;
  • Volume da piscina;
  • Existência e frequência de utilização de manta térmica sobre a piscina;
  • Temperatura pretendida para a piscina;
  • Localização geográfica;
  • Sombreamentos da zona dos colectores solares e da piscina;
  • Características dos colectores solares.

Área da superfície da piscina

É muito importante porque a evaporação da água é função desta área. A evaporação é um processo que rouba calor à piscina. Logicamente que quanto maior o espelho de água, mais perdas tem a piscina.

Volume da piscina

A quantidade de energia necessária para aumentar a temperatura é função de toda a massa de água, logo o volume de água é essencial para o dimensionamento.

Manta térmica

São mantas isolantes que quando a piscina não é utilizada cobrem o espelho de água.

Tem duas funções: reduzem a evaporação e reduzem as perdas de calor por convecção para o ar.

Idealmente a piscina deve estar quase sempre coberta. Para que isto seja viável a manta deverá ser motorizada para que o processo de utilização não seja penoso.

Outro aspecto importante é que as mantas existentes no mercado só são aplicáveis em piscinas rectangulares. Este facto deve ser explicado ao dono de obra antes da construção da piscina para que em consciência possa definir o formato da mesma.

Temperatura da piscina

Este factor é importante no dimensionamento das piscinas interiores. Normalmente a temperatura pretendida varia entre 28 e 30ºC. Quando são piscinas que se destinam a crianças é habitual dimensionar para 32ºC.

Quanto mais alta for a temperatura mais energia necessitamos. As perdas da piscina sobem exponencialmente por convecção e condução. Ainda aumentamos a evaporação da água e consequente arrastamento de calor com o processo.

Outra consequência da temperatura da água é a temperatura do espaço ambiente das piscinas interiores. A temperatura ambiente deve ser 2ºC superior à temperatura da água. Trabalhar com temperaturas ambientes muito altas promove as perdas térmicas do espaço, aumentando o consumo energético.

A conclusão é que pequenos incrementos de temperatura correspondem a grandes perdas de calor. O cliente final deve perceber este processo para poder definir as temperaturas pretendidas.

Sombreamentos

Os sombreamentos reduzem a radiação incidente, logo o calor fornecido à piscina. Isto é válido para sombreamentos dos campos de colectores, como também os sombreamentos das próprias piscinas. Toda a área do espelho de água funciona como um absorvedor de calor e por isso quanto maior radiação incidir sobre ela mais quente será a piscina.

Características dos colectores

Para aquecer piscinas não é necessário temperaturas altas. A temperatura objectivo nunca passa dos 32ºC (piscinas interiores para crianças) por isso a temperatura máxima dos colectores não deve passar dos 40ºC (para manter os colectores mais eficientes).Projecto piscinas

Para este nível de temperaturas, e se os colectores são só para a piscina (e não para AQS ou apoio ao aquecimento) faz todo o sentido favorecer colectores com rendimentos ópticos altos relegando para segundo plano o nível dos factores de perdas.

Dimensionamento de Sistemas Solares em Piscinas Interiores

Como referido, nestes sistemas interiores o objectivo é a redução de consumos. O dimensionamento deve ser feito igualando as necessidades dos meses mais quentes aos ganhos da mesma altura. No exemplo da figura 1 o sistema solar foi dimensionado para igualar as necessidades dos meses de Julho e Agosto.

Sobredimensionando a área de colectores haverá um excesso de energia a dissipar nos meses mais quentes, uma provável temperatura acima do desejado nessa altura, com consequente maior evaporação de água, aumentando os consumos de desumidificação do espaço ambiente da piscina. É pois uma situação a evitar.

Grafico de ganhos solaresO cálculo da área de colectores é feito recorrendo a software específico, como o utilizado na obtenção do gráfico da figura.

Cumprindo a premissa de evitar que os ganhos ultrapassem as necessidades previsivelmente os ganhos médios anuais energéticos estarão próximos dos 50% das necessidades totais.

 

Dimensionamento de Sistemas Solares em Piscinas ExterioresSolar térmico em Piscina exterior

Nestes sistemas o objectivo é o incremento de temperatura da água para maior tempo de utilização ao longo do ano e maior conforto nos meses mais quentes. Não há interesse em acumular energia nos meses mais frios, porque a piscina não será utilizada.

Sistema solar colectores plásticos de piscinasSe o sistema solar for dedicado exclusivamente à piscina, uma boa solução são colectores plásticos solar do tipo directo. Estes colectores, que trabalham directamente com a água da piscina, caracterizam-se por rendimentos muito altos no Verão (rendimentos ópticos muito altos) e factores de perdas também muito altos (são colectores sem qualquer tipo de isolamento). Como consequência, são colectores que nos meses mais frios não fornecem energia nenhuma à piscina. Mas por oposição, nos meses mais quentes são quase tão eficientes como os colectores planos convencionais.

As vantagens destes colectores plásticos de piscinas são:

  • Eficiência alta nos meses quentes (período de utilização da piscina);
  • Preço mais baixo dos colectores para a mesma área de absorção;
  • Não necessitam de permutador de piscinas (que são caros, porque tem que ser altamente resistentes à corrosão);
  • Não tem problemas de corrosão.
Atenção:

Nos sistemas de piscinas interiores não é possível utilizar colectores plásticos de piscinas, porque não fornecem energia nos meses mais frios, que é a altura de maiores necessidades energéticas das piscinas interiores.

Em moradias é possível aproveitar sistemas solares para o apoio ao aquecimento central (por pavimento radiante, por exemplo) e no Verão a energia que já não é necessária para o aquecimento da casa é aproveitado para o aquecimento da piscina.

Nestas situações (só possíveis com colectores planos tradicionais ou colectores de tubo de vácuo, mas nunca colectores de plástico) o dimensionamento é baseado nas necessidades do aquecimento da casa, enquanto para a piscina apenas é necessário dimensionar o permutador. Os ganhos para a piscina serão o “desperdício” da energia dos colectores.

Para o dimensionamento do permutador é necessário considerar:

  • 700 W/m2 de área de absorção;
  • 45ºC – 40ºC de temperatura do circuito do solar;
  • 28ºC – 32ºC de temperatura do circuito secundário (circuito piscina-permutador).

A selecção do permutador de calor tem de respeitar estes valores. Habitualmente, comercialmente a potência indicada para os permutadores é para temperaturas mais altas. Isto pode levar a um subdimensionamento do permutador. A título de exemplo, um permutador de 80 kW, para temperaturas de primário de 90ºC-70ºC (temperatura de caldeira), pode ver a sua capacidade de permuta de calor cair para cerca de 20 kW com temperaturas de primário de 45ºC-40ºC.

O subdimensionamento do permutador tem como consequência:

  • Incremento da temperatura do circuito primário;
  • Consequente menor eficiência do sistema solar;
  • Possíveis bloqueios de segurança do circuito solar por temperatura demasiado alta dos colectores;

Possíveis descargas de fluido do circuito primário por excesso de pressão.

Colectores solares Piscina Açores